terça-feira, 26 de julho de 2016

PERDÃO


Entrando Jesus num barco, atravessou o mar e foi para a sua própria cidade. Alguns homens trouxeram-lhe um paralítico, deitado numa cama. Vendo a fé que eles tinham, Jesus disse ao paralítico: "Tenha bom ânimo, filho; os seus pecados estão perdoados". Diante disso, alguns mestres da lei disseram a si mesmos: "Este homem está blasfemando!" Conhecendo Jesus seus pensamentos, disse-lhes: "Por que vocês pensam maldosamente em seus corações? 
Que é mais fácil dizer: ‘Os seus pecados estão perdoados’, ou: ‘Levante-se e ande’? Mas, para que vocês saibam que o Filho do homem tem na terra autoridade para perdoar pecados" — disse ao paralítico: "Levante-se, pegue a sua maca e vá para casa". Ele se levantou e foi. Vendo isso, a multidão ficou cheia de temor e glorificou a Deus, que dera tal autoridade aos homens. (Mateus 9:1-8)


Se refletirmos neste texto podemos perceber que o paralítico ficou neste estado por uma culpa, algo psicológico. Por isso Jesus o perdoa, para que ele se libertasse dela, pois se Jesus apenas disse-se “Levanta-te e anda”, posteriormente haveria outra psicossomatização (sintoma físico de origem psicológica). Algumas vezes a bagagem psicológica que carregamos nos aprisiona de tal forma que muitos não conseguem entender, acabamos sendo reféns de nós mesmo. Quando nos esvaziamos de nós e nos preenchemos em Cristo, encontramos a cura e a liberdade de nossos grilhões. O preço altíssimo foi pago por Cristo. Ele quitou de forma perfeita a conta dos nossos pecados, dos nossos medos, das nossas culpas.

Honremo-nos a Ele da melhor forma que pudermos e mesmo assim ainda estaremos em débito.

Deus abençoe seu dia!

Heitor Souza
Seminarista Sibi

terça-feira, 28 de junho de 2016

ACABOU O TEMPO

Saiba disto: nos últimos dias sobrevirão tempos terríveis. Os homens serão egoístas, avarentos, presunçosos, arrogantes, blasfemos, desobedientes aos pais, ingratos, ímpios, sem amor pela família, irreconciliáveis, caluniadores, sem domínio próprio, cruéis, inimigos do bem, traidores, precipitados, soberbos, mais amantes dos prazeres do que amigos de Deus, tendo aparência de piedade, mas negando o seu poder.” (2 Timóteo 3:1-5)
Paulo em sua segunda carta à Timóteo diz como será o homem da era do fim dos tempos. E hoje vivemos exatamente desta forma, vazios de valores e cheios de preços onde o primordial é ter e não ser. Perdemos o amor pelo simples fato de amar. Enchemos a boca em público para dizer quanto amamos nossa família, quanto somos felizes e honrados por isso, mas no privado, dentro de casa, aqueles que falamos tanto que amamos não conseguem enxergar isso. 


Amamos mais nosso dinheiro, amamos mais nossos desejos de sucesso, amamos mais a chance de gerar inveja no outro. Isso é fato quando eu sonho que meu filho seja bem sucedido com uma profissão que eu acho ideal. Quando eu procuro minha esposa apenas para me satisfazer fisicamente, quando simpatizo com “amigos” que podem me projetar em uma estrutura social invejável. Não nos preocupamos mais em moldar caráter e valores nos filhos e respeitar os sonhos e espaços deles quanto pessoas, não procuramos mais dar carinho para nossa esposa apenas por amar aquela mulher que disse sim no altar, aquela princesa linda que um dia fez nossos olhos brilharem apaixonadamente, não possuo amigos que erram e não tem nada a oferecer. Vivemos em um mundo de aparências perfeitas, um mundo facebookano utópico. Mas quando recebemos um choque de realidade, nos questionamos “ONDE FOI QUE EU ERREI?” EM TUDO. Errei em valorizar o que tem preço e não valor. Errei em querer ostentar bens ao invés de amar e ser amado. Errei em trocar o que me dá vida pelo que causa morte. Quando iremos nos dedicar às coisas simples e pequenas? Quando foi a última vez que você abraçou aquela pessoa que você tanto diz amar, olhou nos olhos dela e disse: pode contar comigo, eu estou aqui, você é prioridade na minha vida? Quando não sabemos quanto tempo ainda temos disponível para isso, é sinal que não temos tempo a perder. Não deixe para amanhã o abraço, o beijo e o carinho que pode ser dado hoje. Não dê oportunidade para sentir arrependimento de não ter amado mais, de não ter feito mais pela pessoa que com voz alta, peito estufado, apenas em público disse tanto ter amado.
Deus nos abençoe!

Heitor Souza
Seminarista Sibi

quarta-feira, 22 de junho de 2016

APAIXONAR-SE POR CRISTO

Convidado por um dos fariseus para jantar, Jesus foi à casa dele e reclinou-se à mesa. Ao saber que Jesus estava comendo na casa do fariseu, certa mulher daquela cidade, uma ‘pecadora’, trouxe um frasco de alabastro com perfume, e se colocou atrás de Jesus, a seus pés. Chorando, começou a molhar-lhe os pés com as suas lágrimas. Depois os enxugou com seus cabelos, beijou-os e os ungiu com o perfume. Ao ver isso, o fariseu que o havia convidado disse a si mesmo: "Se este homem fosse profeta, saberia quem nele está tocando e que tipo de mulher ela é: uma ‘pecadora’ ". Respondeu-lhe Jesus: "Simão, tenho algo a lhe dizer". "Dize, Mestre", disse ele. "Dois homens deviam a certo credor. Um lhe devia quinhentos denários e o outro, cinqüenta. Nenhum dos dois tinha com que lhe pagar, por isso perdoou a dívida a ambos. Qual deles o amará mais? " Simão respondeu: "Suponho que aquele a quem foi perdoada a dívida maior". "Você julgou bem", disse Jesus. Em seguida, virou-se para a mulher e disse a Simão: "Vê esta mulher? Entrei em sua casa, mas você não me deu água para lavar os pés; ela, porém, molhou os meus pés com as suas lágrimas e os enxugou com os seus cabelos. Você não me saudou com um beijo, mas esta mulher, desde que entrei aqui, não parou de beijar os meus pés. Você não ungiu a minha cabeça com óleo, mas ela derramou perfume nos meus pés. Portanto, eu lhe digo, os muitos pecados dela lhe foram perdoados, pelo que ela amou muito. Mas aquele a quem pouco foi perdoado, pouco ama". Então Jesus disse a ela: "Seus pecados estão perdoados". Os outros convidados começaram a perguntar: "Quem é este que até perdoa pecados? " Jesus disse à mulher: "Sua fé a salvou; vá em paz". Lucas 7:36-50 (NVI)

Essa mulher estava no primeiro amor. Um amor que é transbordante e intenso “como o fogo da paixão”. No primeiro amor dedicamos, ofertamos, reconhecemos e nos maravilhamos com Jesus de forma imensurável, nos doamos por completo à Ele e por Ele. Não nos importa o tamanho do sacrifício que tenhamos que fazer, se for por Ele é válido. Reconhecimento? Só se for o de Jesus, pois sei que sou um mero servo. Mas o tempo passa e acabamos nos acomodando na grandiosa Graça Salvadora, misericórdia hoje virou poesia apenas, “EU ESFRIEI”, esfriei como em um casamento de 30 anos, não há mais novidades, não me surpreendo mais, não me entrego mais, são meras rotinas. E com isso tudo, ainda questiono o agir de Deus, mas Ele é imutável, quer dizer que Ele não muda jamais. Peraí, se Deus é imutável e a nossa relação está fria, quem foi que mudou? Infelizmente, quem mudou fomos nós, nossa relação com Jesus não é mais como antes, não tem aquela adrenalina do namoro adolescente onde sentimos o coração palpitar mais forte só em saber que Ele existe. Mas Jesus está sempre a esperar por nós com o mesmo amor, passe o tempo que passar, o amor Dele não muda e é incondicional e sempre nos presenteia galantemente. Sabe aquele dia que tudo pra você parece estar cinza, estafado e do nada você se pega olhando um lindo jardim florido, adivinha quem colocou ele no seu caminho naquele momento? E quando você está agoniado, triste e sem esperanças, sabe quem enviou aquele amigo para lhe oferecer um ombro? Poderia citar tantos outros exemplos, mas o que quero dizer é que Jesus está sempre nos amando da mesma forma, fica suprindo nossas necessidades sempre e como retribuímos? Eu quero te convidar a se “apaixonar” novamente por Cristo, a sentir seu coração palpitando forte por saber que Ele existe e que te ama, eu tenho certeza que fazendo isso Ele em toda a plenitude do seu amor por nós vai poupar você ao máximo das mágoas e dores do mundo.

Deus nos abençoe!

Heitor Souza
Seminarista SIBI

terça-feira, 21 de junho de 2016

CAMINHOS

Andamos pela vida trilhando o caminho que achamos correto, que entendemos ser o ideal. Vivemos rodeados de amigos, possuímos status na sociedade, somos pessoas desejadas e bem sucedidas, tudo parece um sonho. Pena que sempre tem aquele vazio, solidão e tristeza, aquela sensação de que falta algo mais. Você pode me indagar nesse momento dizendo que isso é besteira, que você é uma pessoa feliz na maior parte do tempo. Eu não tiro sua razão, mas e se por um momento acabar tudo? Os amigos se vão, o desemprego surge, o relacionamento amoroso acaba, a saúde te abandona, mesmo assim, você ainda vai dizer-se feliz?

Um grande exemplo desse sucesso era o apóstolo Paulo, (neste tempo ainda conhecido como Saulo). Homem inteligente, família influente na sociedade, falava outros idiomas, possuía riquezas e serviçais, era bem pago por seus serviços que era perseguir e aprisionar cristãos (como um caçador de recompensas. Ele era o melhor). Até que um dia: Em sua viagem, quando se aproximava de Damasco, de repente brilhou ao seu redor uma luz vinda do céu. Ele caiu por terra e ouviu uma voz que lhe dizia: "Saulo, Saulo, por que você me persegue? " Saulo perguntou: "Quem és tu, Senhor? " Ele respondeu: "Eu sou Jesus, a quem você persegue. Levante-se, entre na cidade; alguém lhe dirá o que você deve fazer". Os homens que viajavam com Saulo pararam emudecidos; ouviam a voz mas não viam ninguém.

Saulo levantou-se do chão e, abrindo os olhos, não conseguia ver nada. E eles o levaram pela mão até Damasco. Por três dias ele esteve cego, não comeu nem bebeu. (Atos 9:3-9 NVI).
Assim também é nas nossas vidas quando caímos. Imagina você independente a vida toda e do nada cai do cavalo perdendo tudo, sendo completamente dependente dos outros para tudo. É nesse momento que você repensa seu caminho e vê que a felicidade está em ter alguém que você possa ser dependente. Loucura isso? Vou explicar melhor: Imagina que seu sonho seja “O” carro importado, aquele que todos sonham. Na sua doença ele vai estar ao lado da cama zelando por você? Não, mas é na compaixão, no carinho e no cuidado dos poucos que permaneceram ao seu lado te guardando que vai achar conforto. Nesse ponto é que o caminhar muda de direção, seus atos, motivações, sonhos, prioridades, tudo muda. Saulo se encontrou com Jesus e tudo lhe foi mudado, passa agora a ser chamado por Paulo, o mais intenso e ativo dos cristãos (minha opinião). O mais impressionante é que no fim da vida, no corredor da morte (por ser cristão) ele se sente feliz, amparado, completo e realizado: Eu já estou sendo derramado como uma oferta de bebida. Está próximo o tempo da minha partida. Combati o bom combate, terminei a carreira, guardei a fé. Agora me está reservada a coroa da justiça, que o Senhor, justo Juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amam a sua vinda. (2 Timóteo 4:6-8 NVI). 

Paulo sabe que a maior riqueza é estar ao lado de Cristo na eternidade. A felicidade vem de estar só em seu quarto mas com Jesus dentro do seu coração, é estar desempregado mas crendo que Ele supre suas necessidades e que as coisas vão mudar. Jesus não tira as tribulações de nossas vidas, mas Ele não nos deixa ser abatidos por elas. Tenha um bom, feliz e prazeroso caminhar com Jesus.

Deus nos abençoe!

Heitor Souza
Seminarista Sibi

quarta-feira, 15 de junho de 2016

ESPELHOS

Um dos maiores conflitos que enfrentamos é poder responder a seguinte frase: “Ser ou não ser, eis a questão” (William Shakespeare). Dizer se sou ou não é até simples, o complicado é a segunda questão que surge: “Se sou, o que sou?” Como posso responder a isto se não me conheço nem me entendo? Sigmund Freud diz: “Nós poderíamos ser muito melhores se não quiséssemos ser tão bons.” 

 Ele entendeu direitinho o que o apóstolo Paulo diz em Romanos 7:18-20 (ACF):
“Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem algum; e com efeito o querer está em mim, mas não consigo realizar o bem. Porque não faço o bem que quero, mas o mal que não quero esse faço. Ora, se eu faço o que não quero, já o não faço eu, mas o pecado que habita em mim.”
Somos meros pecadores que, por nós mesmos, não conseguimos realizar nenhum ato de bondade. Quando o fazemos acabamos buscando reconhecimento, envaidecermo-nos de nós mesmos.
Mas eu quero te convidar a utilizar outro espelho, uma nova imagem que vai refletir sua mente, seu coração e sua alma. Esse espelho é Jesus. 

“Mas nós não recebemos o espírito do mundo, mas o Espírito que provém de Deus, para que pudéssemos conhecer o que nos é dado gratuitamente por Deus... Porque, quem conheceu a mente do Senhor, para que possa instruí-lo? Mas nós temos a mente de Cristo.”
(1Coríntios 2:12,16 ACF)

Hoje ao se olhar no espelho o que você verdadeiramente vê? Ainda existem conflitos sobre quem você é e para onde está indo? Se essas perguntas ainda são frequentes em seu coração, há uma direção eficaz, a oração. Ore e apresente à Cristo o que seu espelho reflete e deixe-O mudar sua imagem refletida.

Deus nos abençoe!

Heitor Souza 
Seminarista Sibi

terça-feira, 14 de junho de 2016

RAÍZES!


Como é feliz aquele que não segue o conselho dos ímpios, não imita a conduta dos pecadores, nem se assenta na roda dos zombadores! Ao contrário, sua satisfação está na lei do Senhor, e nessa lei medita dia e noite. É como árvore plantada à beira de águas correntes: Dá fruto no tempo certo e suas folhas não murcham. Tudo o que ele faz prospera!Salmos 1:1-3 (NVI)

Que suas raízes sejam a Palavra de Deus, a água que te mantém vivo seja a graça Dele, a fotossíntese gerada é a sua metanoia. Que sua sombra proteja os que necessitam, seus frutos saboreados pelos famintos por Deus e verás que nenhum vento de pecado poderá te ceifar.


Heitor Souza
Seminarista Sibi

PERDÃO

Entrando Jesus num barco, atravessou o mar e foi para a sua própria cidade. Alguns homens trouxeram-lhe um paralítico, deitado numa cama....